sábado, 25 de abril de 2009

Os Métodos de ensino da língua inglesa Que são utilizados durante o período do ensino médio




Os Métodos de ensino da língua inglesa
Que são utilizados durante
o período do ensino médio


FGF- Faculdade da Grande Fortaleza
Eulaia Pereira de Souza
Daniel Batista da Silva
Paulo André
Elisnalva




Índice

Introdução
O ensino da Língua inglesa em escolas estaduais e particulares
Alguns métodos de ensino utilizados
Método de Tradução da gramática (Grammar translation, GT)
Método direto (direct method, DM)
Método audiolingual (audio lingual Method, AM)
Método de aprendizagem de língua em comunidade (community language learning, CLL)
Método da sugestão (suggestiopedia, S)
Método da forma, a silenciosa (silent way, SW)
Método da resposta física total (total physical response, TPE)
Método da abordagem natural (natural approach, NA)
Método Funcional ou abordagem comunicativa (communicative language teaching CLT)
Escola estadual x escola particular
Conclusão
Referências bibliográficas





1-Introdução




A escolha do tema desse projeto deu-se devido o nosso interesse ao ensino da língua inglesa. Diante disto, escolhemos o professor de língua inglesa no ensino médio que atua em escolas da rede estadual e particular, no intuito de verificar quais os métodos de ensino são utilizados e se realmente estão sendo utilizados em sala de aula.
Citaremos neste trabalho alguns tipos de métodos de ensino que poderiam auxiliar professores de línguas diariamente em sala de aula. Utilizamos em nosso projeto, uma pesquisa bibliográfica fundamentada no método comparativo, o qual faremos uma pesquisa de campo mo intuito de fazermos uma breve investigação.
Virmos às dificuldades enfrentadas por um professor da rede pública devido à falta de recursos presentes na escola para a disseminação do conteúdo específico.
Podemos também perceber nessa pequena pesquisa que nas escolas particulares nem tudo é mil maravilhas, pois os professores enfrentam as barreiras impostas por administradores de escolas, impedindo que o mesmo possa utilizar seus próprios métodos, retardando o aperfeiçoamento de métodos alternativos de ensino.

2-O ensino da Língua inglesa em escolas estaduais e particulares
O mundo avança com cada vez mais novas tecnologias, a língua inglesa acaba tornando-se um idioma comercial em todos os lugares do mundo e faz com que as pessoas procurem se interar do que acontece ao seu redor e acompanhar o avanço da tecnologia.
O ensino-aprendizagem de uma língua estrangeira em escolas privadas e públicas deve estabelecer uma pedagogia realista, com objetivos claros e possíveis.
A sociedade brasileira reconhece a importância que se tem ao adquirir o conhecimento de um idioma diferente de sua língua materna através da escola.
Quando duvida da eficácia do ensino escolar e leva seus filhos ou a si mesmo para aprender idiomas em escolas ou instituições particulares.
Apesar das aulas tradicionais de inglês às vezes não se tem o mesmo apelo motivacional (depende do professor). Cabe ao professor saber administrar suas aulas. Podendo recorrer a alguns métodos de ensino para que possa haver um interesse maior do discente para obter-se á aprendizagem.
A aula nas escolas tanto pública quando particular eram ministradas deixando muito a desejar, pois eram monótonas, não capacitavam os alunos a falar, ler e escrever em novos idiomas e tinham um caráter mais repetitivo do que comunicativo.
Segundo Almeida Filho (2002)
É imprescindível que o professor não apenas “comunicativize” o que já pratica (mudando por fora para ficar igual por dentro), mas que adote uma postura profissional de busca e reconstrução crítica para poder explicar por que ensina da maneira como ensina e por que os alunos aprendem como aprendem.

O professor deve trabalhar de maneira a incentivar o aluno a pensar e a interagir na língua alvo de modo que ele aprenda.
“Enquanto os materiais comunicativos incentivam o aluno a “expressar aquilo que deseja, ou precisa ressaltando também as técnicas interativas, com trabalhos em pares, ou pequenos grupos trabalhando muitas vezes simultaneamente em sala de aula.” (ALMEIDA FILHO, 2002, p.37)
3- Alguns métodos de ensino utilizados

Podemos encontrar no PCN - Parâmetros Curriculares Nacionais (Brasil, 1998, p. 57) algumas percepções modernas de aprendizagem de língua estrangeira que foram influenciadas principalmente por três visões de linguagem:
Na visão behaviorista, a aprendizagem da língua estrangeira é compreendida como um processo de adquirir novos hábitos lingüísticos do uso da língua estrangeira. Percebe-se, que esta concepção entende a mente do aluno como “uma pedra de diamante, que necessita ser lapidada, e aberta para o encontro de uma nova língua”.
Já na visão cognitivista desloca-se o foco do ensino para o aluno ou para as estratégias que ele utiliza na construção de sua aprendizagem da língua estrangeira. Os erros são considerados como “evidencia de que aprendizagem esta sendo desenvolvida”.
A visão sócio-interacionalista trabalha a compreensão de que a aprendizagem é “uma forma de estar no mundo social com alguém, em um contexto histórico cultural e institucional”. Também focaliza a “interação a seu papel no desenvolvimento e na aprendizagem do ser humano”

4. Método de Tradução da gramática (Grammar Translation, GT)

È sempre um processo dedutivo, partindo da regra para o exemplo. Basicamente esse método consiste no ensino da segunda língua pela primeira. Toda informação necessária para construir uma frase, entender um texto ou apreciar um autor, é dada através de explicação na língua materna do aluno.
As principais características do método de tradução da gramática são: (Brown, 2001):
1- As orações são ensinadas em língua materna com pouco uso ativo da língua objeto;
2- Muito vocabulário é ensinado em forma de lista de palavras isoladas;
3- São utilizadas longas explicações gramaticais elaboradas;
4- A gramática fornece as regras necessárias para se junta as palavras e as instruções são freqüentemente focadas na forma e inflexão de palavras;
5- Começa-se cedo à leitura de textos clássicos;
6- Pouco se atenta ao conteúdo dos textos que são tratados como exercícios em analise gramatical;
7- Freqüentemente, o único treinamento são exercícios de tradução de frases desconexas da língua foco para a língua materna.
8- A pronúncia recebe pouca ou nenhuma atenção
Até hoje esse método ainda é utilizado em escolas, lembrando também que o mesmo não estimula o aluno o suficiente para que ele desenvolva a capacidade de comunicação do aluno em outro idioma a qual utiliza pratica e objetividade, memorização intermináveis, vocabulário, na tentativa do alcance da perfeição de tradução literária.
Esse método não exige do professor um amplo conhecimento da lingua abordada. Ao qual é de fácil elaboração, não utiliza teorias, não oferece referencias na literatuara que justifiquem a aprendizagem do segundo idioma nas seguintes questões de lingüística psicologia ou educação.

5- Método direto (direct method, DM)

Um dos princípios deste método é a utilização da língua alvo para aprender a mesma nunca utilizando a língua materna como referência. O aluno é obrigado a pensar na língua estudada. A transmissão do significado das palavras é ensinada através de figuras, gestos corporais e mímicas.
O propósito do ensino deste método está baseado na linguagem oral, mas podendo utilizar a escrita já nas primeiras aulas, o uso de conversação e pequenos trechos de leituras são o inicio para a aplicação de exercícios dos mesmos. Sendo assim o aluno irá integrar as quatro habilidades: escrever, ouvir, falar e ler.
Primeiramente o discente tem a idéia dos fatos da língua para após chegar a sistematização. E utilizando muitas vezes a técnica de repetição ou diálogos sobre assuntos definidos tornado o ditado abolido como exercício.
Os princípios deste método (Brown,2001)
1- As instruções da aula eram oferecidas exclusivamente na língua foco;
2- Os vocabulários e orações ensinadas eram somente os do dia-a-dia;
3- As habilidades de comunicação eram cuidadosamente construídas em progressão organizada no formato de troca de perguntas e respostas entre professores e alunos em grupos pequenos e intensivos;
4- A gramática era utilizada de forma indutiva ;
5- Novos aprendizados utilizavam de modelagem e pratica;
6- Vocabulários concretos eram ensinados por meios de demonstração, objetos e figuras, ao passo que vocabulários abstratos eram ensinados por associação de idéias;
7- O ensino compreendia tanto a fala quanto a escrita;
8- A ênfase era na pronuncia correta e na gramática.
Este método foi bem aceito principalmente em escolas particulares de idiomas onde os alunos têm motivação e professores nativos contratados. Ao qual não pode ser aplicado em escolas públicas devido à limitação da verba investida nas mesmas, grande número de alunos e pouco tempo para a abordagem e também a proficiência dos professores.
6. Método audiolingual (audio lingual Method, AM)

Este método consiste em que a língua é fala e não escrita onde possui um conjunto de hábitos a qual as línguas são diferentes. Ensina-se a língua e não sobre a língua.
O aluno só escreverá quando desenvolver a língua oral, porque para os estudiosos deste método, a escrita é uma fotografia muito mal feita da fala. O discente aprende a língua pela pratica, não através de explicações gramaticais. A tarefa realizada é através de fitas gravadas ou pelo próprio professor, seguido de intensa pratica oral.
As principais características deste método (Brown, 2001)
1- Novo material é apresentado em forma de diálogo;
2- Há dependência de imitação e memorização de orações padrões;
3- As estruturas são seqüências; por meio de analise contrastiva, e são ensinados uma de cada vez;
4- Os padrões estruturais são ensinados em forma de repetições;
5- Há pouca ou nenhuma explicação gramatical. A gramática é ensinada por analogia indutiva ao invés de explicação dedutiva;
6- O vocabulário é extremamente limitado e aprendido sempre em contexto;
7- Há muito uso de fitas cassetes, laboratórios de língua e recursos visuais;
8- Ênfase na pronuncia;
9- Uso limitado de língua materna pelos alunos e professores.
Atualmente este método é muito utilizado. Os materiais são preparados, testados e oferecidos a instituições educacionais. Quanto mais o aluno pratica as conversações fora da sala de aula, mais facilidade ele terá em aprender.

7.Método de aprendizagem de língua em comunidade (community language learning, CLL)

Este método fundamenta-se em uma visão da educação em que os aprendizes em uma sala de aula são vistos e tratados como um grupo e não como uma classe. Este grupo precisa de uma terapia e aconselhamento. A necessidade de que se tem de cada membro é a interação em um relacionamento inter pessoal em que juntos alunos e professores se unem para melhorar o processo de aprendizagem.
O professor é um conselheiro para o aluno, não se torna uma ameaça impondo limites ao discente ele apenas preocupa-se com alunos, suas necessidades e sua metodologia é básica e explicita.
Primeiramente o grupo de alunos estabelece um tipo de relacionamento próprio e de confiança na língua materna. Em seguida reúnem-se em circulo com o conselheiro e fora dele. Quando algum aluno quer falar algo destinado a alguém do grupo, ele faz na sua língua própria e o conselheiro translata para o aluno na língua alvo. Este tenta repetir da melhor maneira possível. No próximo passo o outro aluno manifesta-se. O conselheiro traduz a frase e ele repete sua opinião na língua estudada.
Se possível é gravado para escrita posterior. Ao final de cada aula os aprendizes adquirem aprendizagem indutiva sobre a nova língua caso seja necessário o conselheiro pode ter um papel mais direto, fornecendo explicações das regras lingüísticas nos itens mais utilizados. Este é o principio deste método.
8. Método da sugestão (suggestiopedia, S)

Este método baseia-se no fato de que o cérebro humano tem condição de processar grande quantidade de informação, tendo as condições propicias à aprendizagem. Sua teoria capitalizada em estados relaxados da mente o aluno captaria grande quantidade de informação devido o aumento de ondas alfa no cérebro, diminuindo a pressão sanguínea e a pulsação.
A aplicação deste método compreende a apresentação de vocabulário, leituras, diálogos e um leque de outras atividades. O aluno era induzido a ter um comportamento mais lúdico o possível submetendo-se a autoridade do professor e as vezes interpretando papeis de nativos da língua alvo, tornando o aluno sugestionável.

9 .Método da forma, a silenciosa (silent way, SW)
Este método tem o enfoque mais para a parte cognitiva do que a afetiva em sua sustentação teórica.
Os princípios (Cattegno citado por Brown, 2001)
1- A aprendizagem se torna mais amena, se o aprendiz descobre ou cria em vez de lembrar ou repetir o que deve ser aprendido;
2- A aprendizagem se torna mais fácil mediante a apresentação de objetos físicos;
3- A aprendizagem se torna mais leve com a solução de problemas que envolvam o material aprendido.
Sendo assim o aluno tem a possibilidade de construir suas próprias hierarquias conceituais que são o produto do tempo que ele investiu no processo de aprendizagem. Ao mesmo tempo os alunos ajudavam-se na solução de problemas na sala e o professor faria um esforço em mudar sua atitude de professor padrão para estimulador, em que ele fica em silencio na maior parte do tempo, tendo uma interferência mínima nos alunos.

10. Método da resposta física total (total physical response, TPE)

Atualmente este método é padrão entre os professores de língua. Psicólogos desenvolveram a teoria em que a memória aumenta sua capacidade se estimulada por meio de associação com a atividade motora. Foi reconhecido o valor de se associar linguagem com atividade física. A idéia de se elaborar um método de ensino de língua com os princípios de associação. Ele é uma combinação de outros insights.
Os princípios segundo Asher:
O fato de que a criança, ao aprender a falar, é submetida a muita escuta previa e que esta escuta é acompanhada de respostas físicas como ‘alcançar’, ‘mover’ e ‘olhar’, somando a isso, muita atenção também foi dada a aprendizagem do lado direito do cérebro.
Ele acreditava em que a atividade motora é uma função do cérebro direito e que esta deve ser anterior ao processo da linguagem do cérebro esquerdo, e que aulas de idiomas traziam muita ansiedade e queria uma forma menos estressante possível ao qual o aluno não ficaria na defensiva. O aluno era submetido a atividade de escuta e de ação.
Este julgava os métodos de (Brown, 2001) ter tipos de comandos ideais que fazem o aluno movimentar-se e relaxar. Essa atividade tinha o intuito de quebrar a rotina tediante de sala de aula. Ele é ideal para níveis iniciais, mas ele não é compatível com níveis avançados, onde as habilidades de leitura e redação são pouco desenvolvidas.

11. Método da abordagem natural (natural approach, NA)

Este método tem por objetivo desenvolver aquisição (uso inconsciente das regras gramaticais da língua) ao invés da aprendizagem (uso consciente). Assim a fala surgira naturalmente sem pressão do professor.
Ele enfoca as habilidades de comunicação pessoal básica ou seja, a linguagem para situações diárias. O professor tem como objetivo oferecer informação, fala compreensível no idioma alvo ao aluno. Independente do nível em que o aluno se situa. O mesmo tem o papel de criar atividades variadas, interessantes e estimuladoras como jogos, trabalhos em grupos pequenos e comandos aos alunos.
Os três estágios do aluno segundo (Brown, 2001):
1- Estagio de pré-produçao: é o desenvolvimento das habilidades de compreensão auditiva;
2- Estagio inicial de produção: é geralmente marcado por erros quando o aluno se esforça para ser entendido. O papel do professor aqui não na correção dos erros – desde que não sejam gritantes – mas no próprio sentido da mensagem;
3- Estagio em que o aluno é capaz de discorrer sobre o assunto. Aqui são envolvidos jogos mais complexos, dramatização, diálogos abertos e discussões, sendo que o objetivo é a promoção da fluência.
Alguns alunos não se sentem preparados para falar, tendo assim o professor dificuldade na administração da sua aula.tendo a dificuldade de como determinar se o aluno esta aprendendo já que não se manifesta.

12. Método Funcional ou abordagem comunicativa (communicative language teaching CLT)

Defende a aprendizagem centrada no aluno, não só em termos de conteúdo, mas também de técnicas usadas em sala de aula. O professor deixa de exercer seu papel de autoridade, de distribuir conhecimento para assumir o papel de orientador. O mesmo deve mostrar interesse nos anseios dos alunos, encorajando-os a participação e acatando as sugestões. Alem da gramática e dos elementos discursivos na comunicação, há os fatores de natureza social, cultural e pragmática da língua.
Características deste método segundo (Brown, 2001):
1- Ênfase em se aprender a comunicar interativamente na língua alvo:
2- Apresentação de textos autênticos na situação de aprendizagem:
3- Preocupação de que o aluno veja não só a língua em si, mas também o processo de aprendizagem:
4- Aproveitamento das experiências individuais do aluno no contexto da aprendizagem:
5- Tentativa de se ligar a aprendizagem em sala de aula com a vida fora da sala de aula.







13. Escola estadual x escola particular
Os Métodos de ensino da língua inglesa
Que são utilizados durante o período do ensino médio

*Dados:
1º Entrevistado: Profª Ivânia (Pública)
Data: 16/04/09
Local: E.E.F.M. Mariano Martins
Questionário
1°-Qual a sua formação e há quanto tempo você esta atuando nessa profissão?
Minha formação é letras português com habilitação em língua estrangeira no caso o inglês e sua respectivas literaturas. Eu fui aluna da FGF, mera coincidência, porque assim, somente o inglês da faculdade ele não te dá suporte pra lecionar, então você precisa ir em busca do inglês extra faculdade , que vem de de fora , então eu fiz IMPARH ate antes da faculdade eu tinha feito HILPRO, depois da faculdade eu fiz IMPARH e fiz APESQ. APESQ é associação do ensino superior do estado do ceará e uma das minhas formações foram La.
2°-Há quanto tempo você trabalha nesta escola?
Nesta escola aqui...assim Aqui no estado eu me encontro como temporária então o prazo termina, acaba, a gente termina voltando. Aqui no Mariano Martins eu lecionei em 2005, 2006, 2007, 2008 não. E agora 2009 mas leciono desde 2000. Nessa escola da rede estadual que a gente vai e volta e tem que ir em outras escolas pegar essa língua especifica, tipo por um período quebrado .
3°- Você planeja suas aulas e qual o procedimento utilizado no planejamento?
Com relação à disciplina a língua estrangeira, a gente tem uma estrema dificuldade de material didático para os alunos. A gente não possui material didático, é... hoje dependendo da serie a gente tem um recurso que o governo federal lançou, pros alunos do estado que se chama “primeiro aprender”. O primeiro aprender ele é voltado somente para as turmas de 1º ano e ele esta fora da realidade da gente. De um modo geral, aqui acolá tem umas disciplinas que o professor gosta e trabalha profundamente com o primeiro aprender, no caso da língua inglesa não, ele trabalha muito com inglês instrumental. Então é muito em cima de texto e a parte gramatical ele deixa a desejar. Com relação ao planejamento, eu fico somente com o meu material, e fico buscando fonte pros alunos porque vem a questão de confiar ou não no quadro...de ter recursos que a gente também não tem Xerox. Quando temos Xerox ela é limitada e depende da sua turma se tu tem literalmente às duzentas horas na escola aqui que fica mais difícil que tu tem duas turmas, dez turmas, ai fica mais difícil né. Se tu ainda tem uma ou duas turmas tu ainda tem esse recurso de Xerox, então é muito relativo. Mas com relação ao planejamento, é o meu próprio material e as minhas aulas são planejadas... Esse ano houve uma modificação nos planejamentos. Então o planejamento este ano a gente se junta com áreas de linguagem de códigos e planeja aqui. Cada um com seu próprio matérial. Então quando se fala de linguagem de códigos o “primeiro aprender” abrange também o português então tem professor que trabalha o “primeiro aprender” e tem professor que não. Ai depende da serie que você ta trabalhando. Eu aqui nessa escola tenho o primeiro e segundo ano.
3°- Existem alguns conteúdos que você sente a necessidade de dar mais atenção. Quais e por quê?
Eu trabalho muito encima da gramática sim, eu por falta de recursos eu termino
deixando a desejar na parte textual, infelizmente não dá pra negar. Então a gente aborda muito gramática, é só gramática. Agora quando você trabalha 3º ano não. Mesmo sem ter o material como recurso, mas pelo menos nas disciplinação das suas avaliação, tem que ter texto. Aqui no segundo ano pode dar uma relaxada com relação a texto, a compreensão textual.
4°- Você conhece ou utiliza algum método de ensino da língua inglesa? Qual?
Infelizmente eu não trabalho com “listening” porque eles não tem livro, eles não tem texto, eles não tem Xerox... Eles vão ouvir o que? Assim, Só ouvir? Enfim só ouvir e pegar algo independente da serie... Então é assim eu não trabalho somente com o meu livro, o meu material, o único recurso que a gente tem é: quadro e lição e o livro do professor. É o recurso que ele pode então... Levar pra sala de aula.
*- O livro do professor, a escola que dá ou você que vai atrás?
O livro do professor literalmente é o nosso material de estudos é os nossos livros da faculdade,os nossos livros dos nossos cursos... E assim vai. A gente vem e faz uma mesclagem de apostilas dos colégios particulares... Não vou negar. Meu filho é aluno “FB” então ele tem muito material desse tipo... Ai sabe como é que faz né... então o recurso é esse né, você com...o professor com seu próprio matérial, e dentro de sala de aula você só tem quadro e pincel . Você não tem papel, você não tem livros, você não tem texto, você não tem um som, e quando tem um som, a tomada fica La do outro lado da parede, ai precisa uma modificação enorme da sala os alunos copiam de frente pro quadro, mas a tomada lá atrás na hora de trabalhar o listening vira toda a sala para trás, fica aquela desorganização. Ai é assim termina a desejar,o som é baixo, as salas hiper numerosas... Então assim dependendo da posição que o aluno senta num vai nem escutar o som. Eu gosto muito de trabalhar a musica, explorar o áudio da música, o listening da musica, o vocabulário.
5°- Em sua opinião, se os diretores de escolas resolvessem contratar somente professores profissionais da área de letras com especialização em inglês. Iria melhorar a aprendizagem do discente?
Gente sem sombra de duvidas. Não é porque tu tem um inglês fluente que você esta altamente capacitado, habilitado pra entrar na sala de aula e assumir. Não, você tem que passar os... tem seus quatro anos de formação,tem que conhecer metodologia, essa disciplina de extrema importância, vocês irão encontrar outras lá na frente no curso de vocês. É ai que a gente vai aprender B, A BA pra poder entrar com o corpo forte dentro de sala de aula. Não é porque eu terminei o ”IBEU”. Eu terminei o IBEU. Meu amigo que terminou letras e IBEU tem uma grande diferença. Letras sim eu acredito, eu acho que tem que ser por ai. Não é somente o certificado de uma língua estrangeira, ele agregado a graduação... Ele junto com a graduação.
6°- Quais os métodos de ensino da língua inglesa você aconselharia o professor a utilizar em sala e por quê?
Essa pergunta ela abrange a escola, os recursos que você tem a escola caso a caso principalmente esse estadual e municipal aas dificuldades que a gente da área conhece e quando se trata de uma escola particular não, você tem todo um suporte, a escola tem todos os suportes possíveis e imaginários pra te colocar dentro da sala junto com o aluno tem escolas que tem ate laboratório. Então assim eu vejo uma pergunta muito abrangente pra eu conseguir te responder. Porque é uma situação porque são diferentes, é diferente, é um trabalho diferente, é um trabalho diferenciado. Porque uma coisa é você trabalhar num lugar com todos os recursos... Outra coisa é você não ter nada, ter que fazem mágica. Quarta feira eu cheguei na escola, da rede estadual e com um material pra xerocar. Ai a secretaria tem que pedir a autorização do núcleo gestor. Tá foi pegar a autorização. Ela olhou... Na apostila não tem isso, e a gente tem uma apostila, só que a apostila é da escola e os alunos não podem levar pra casa. Então assim é a mesma coisa você tem mais não tem. Porque Como é que o aluno vai ver o conteúdo se o material fica no livro? Ou seja, ele tem que copiar no caderno dele... Ai o meu material não foi liberado. E o que é que eu pude fazer unicamente: tive que bater a Xerox somente de uma matriz pra deixar pra cada turma. E cada aluno fosse atrás do seu material. Quem quer ter seu material tira do bolso e paga.
7°- Atualmente os pais vêm procurando para o filho uma instituição de ensino de idioma particular, para que ele possa ter um conhecimento mais amplo. Por que esta ocorrendo este fato?
Gente é uma visão maior e melhor em busca de um futuro melhor tá. É você realmente terminar o seu ensino médio. Com a língua já uma é boa coisa, já é um bom resultado. Já é um currículo bom, inicia o currículo. É o tanto que, se no nível médio tu já conclui o curso extra, já tem uma língua, termina o médio com uma língua, ali no seu vestibular a língua estrangeira pra ti já vai ser tirada de letra... A sua dificuldade será bem menor, bem menor. Então quando você entrar na sua graduação já com um certificado de uma língua estrangeira, o que você for buscar as portas vão se abrir mais facilmente, mais facilmente. Mas você busca algo fora do pais, ai que fica mais fácil. Eu vejo isso como um enriquecimento de currículo. E só os três no colégio pra dependendo do teu propósito, ele não está. O inglês do colégio ele se te dar a gramática, assim ,ele não te dá habilidade sabe. Dentro de sala ele não fala inglês. Os colegas lá tudo falam. Só se conversar com o colega que saiba um professor que terminou... Pra explorar o que ele fala... Dentro de escola não...
8°- Em sua opinião o conteúdo da língua inglesa ensinado durante o período do ensino médio, prepara o aluno para o vestibular ou uma faculdade?
Eu acredito sim, que para ele vai, ele chega e consegue chegar ao vestibular dependendo da escola, do nível médio... Tem escola que ele consegue sim. Depende muito da escola em si e do interesse do aluno, de ambas as partes... Um completa o outro ta. Uma pergunta que eu já te falei, uma pergunta meio abrangente, é de caso a caso, mas você encontra alunos sim capacitado de chegar a um vestibular da língua estrangeira sem dificuldade.
*- E na rede estadual? A UFC, a UECE o aluno tem capacidade?
– consegue porque assim é... No primeiro e segundo ano, quando você já chega no nível médio, você já tem visto tudo aquilo. Então no nível médio você vai ver, vai rever tudo aquilo de forma mais profunda tá. E quando você chega no terceiro ano, seu foco é texto, é texto é compreensão. E se você ver vestibular, o vestibular na língua estrangeira, eu to vendo que a gramática tava deixando a desejar. O vestibular é focado em cima de texto, interpretação de texto, e foco, exploração de texto. A gramática você pega pouquíssimas questões que abordam esses conhecimentos de gramática. Só que ai o terceiro ano já foca muito texto, e então com toda a sua base de fundamental 2, 1º e 2º ano, fechando com texto, dá suporte sim pra chegar ao vestibular.

2º Entrevistado: Prof° Marcos Costa (Particular)
Data: 16/04/09
Local: Faculdade da Grande Fortaleza
Questionário

1°- Qual a sua formação e há quanto tempo você está atuando nesta profissão?
Bom eu tenho 15 anos de profissão, né to me formando ainda no primeiro semestre não tenho ainda a carreira formada por defeito do tempo, mas assim pretendo me formar o mais breve possível que como eu como eu to no primeiro semestre do curso acadêmico, pra mim ia ser uma maravilha. Mas com relação a minha profissão parece que assim... Eu já sou formado há muito tempo. Mas como requer um certificado, por isso que eu estou na faculdade.

*Mas você tem algum curso?
Cursos no exterior, certificado, mas não de graduação. Tenho cursos paralelos e formação de cursos como IMPARH, IBEU, FISK, casas de cultura, e alem de outros idiomas não só o inglês, o alemão, e também o italiano.
2°- Há quanto tempo você trabalha nesta escola?
Bom, na escola que eu estou há 16 anos porque como eu tenho varias outras instituições que eu tenho trabalhado a que estou mais tempo, a instituição tem 16 anos. Eu digo 15 anos porque 16 anos a gente conta um ano a mais porque tem outras escolas que a gente já começou, mas de profissão mesmo, são 15 anos.
3°- Você planeja as suas aulas?Qual o procedimento utilizado no planejamento?

Bom, todas as noites, ao chegar em casa principalmente porque o dia é muito cansativo, eu trabalho em seis escolas diferentes, então cada dia é um dia diferente então ai chego olho primeiro o planejamento do dia de cada escola vejo quais são os tipos de leitura, exercícios práticos, ou então o próprio livro ele ensina a gramática pra que eu possa chegar em sala de aula, planejar aquilo que foi feito. Geralmente foge um pouco da realidade da sala porque geralmente há efeito de tempo então nós temos de 45 á 50 minutos, então eu planejo aquela aula todas as noites quando chego em casa, depois das 11 horas, então aquela aula eu não posso passar de 50 minutos. Então eu planejo a aula todos os dias, por livro ou através de exercícios de texto.
4°-Você utiliza livros didáticos? Em que situação?
Os livros didáticos são mais com leituras, porque como inglês requer muito vocabulário, então não adianta levar um livro didático que ele não compreenda, porque eles vão dizer assim: - é português, e eu não tenho inglês! Então geralmente os didáticos, são mais os livros de leitura, de figura, que exatamente isso o que a gente usa mais o lúdico né para que ele possa ou entender figuras, e trabalhar com o aluno, a leitura diante de uma figura para que ele possa entender o vocabulário, lido, ou falado e depois ouvido porque realmente tem o cd pra você trabalhar.
5º- Existem alguns conteúdos que você sente a necessidade de dar mais atenção? Quais e por que.
Ah existem vários! Muitos conteúdos! A gramática ela é muito exigida então você precisa uma atenção maior. Já a forma escrita ela é bem mais pratica porque quando você ta lendo você ta aprendendo a leitura. Mas se você não tiver uma pratica com o conteúdo de cartazes, então geralmente eu levo uns cartazes para que a gente possa trabalhar então agente leva cartazes para que a pessoa que esteja observando, entenda aquilo que esta sendo visto. Então é muito pratico você utilizar vários métodos, pra que você chegue ao aluno aprender. Agora sempre existe aquele aluno... professor eu não sei de nada! Você pode trazer livros, você pode trazes slides, você pode trazer cartazes, que ele não vai entender. Então você sempre tenta melhorar um item pra cada dia.
6°- Você conhece ou utiliza algum método de ensino da língua inglesa? Qual?
Ah existe também muitos métodos. O método meu mais é de forma assim... eu digo assim de leitura. É assim: fazer um circulo que há métodos, diversos métodos que você possa utilizar, mas o de leitura é o que mais eu trabalho, porque o aluno se sente mais a vontade. E o método também visual, porque ele também ta sabendo aquilo que ta lendo e ele ta vendo. Agora métodos próprios realmente livros, ou de que a gente vê não da pra se utilizar porque realmente dentro de uma sala de aula com 50 alunos não dá. Porque o aluno, ele se sente cansativo em seguir regras. Então a gente usa práticas que você tem. Então o que? De uma de uma leitura, de uma fala... Até uma musica que você pode usa r que é um método mais simples. Por quê? Pra aula não ficar cansativa. E eu aprendi que de 50 minutos, 5 minutos já é bastante pra você. E os e outros 50 são apenas pro aluno brincar. E é isso que a gente faz na sala: é brincar de aprender inglês.
7°- Qual a dificuldade que o professor da língua inglesa encontra nas instituições de ensino?
Olha na instituição, existe pra cada instituição, existe uma forma e um método diferente. Por exemplo: há instituições que você não pode fugir a regra. É aula-aula. Todo dia quadro e aula. Se você mudar sua regra de círculos, a de equipe, a escola já não permite. Por quê? Porque ela já acha que a aula não vai ser produtiva. Já existe escolas que elas são abertas. Então você pode trazer um slide, uma musica fazer trabalhos com vídeos, elas permitem, porque elas abrem as portas. A regra de todas as escolas é fazer com que o aluno teja a aula didática normal, como regra normal. É quadro e caderno. Porque assim o aluno ira acham que o aluno aprende mais, e o pai vai cobrar pra ele né. Mas a gente não pode mudar o método porque muitas vezes a escola não permite e não abre espaço pra gente fazer isso. Então é uma dificuldade que a gente tem que se adaptar a cada escola. Enquanto a escola dizer assim:- você pode trabalhar desta forma, tudo bem, mas esta forma você não vai trabalhar porque esta forma é de você enrolar ou então perder tempo com a aula. Então há esse tipo de relacionamento que tu tem em cada instituição.
8°- Em sua opinião, se os diretores de escolas resolvessem contratar somente professores profissionais na área de letras com especialização na língua inglesa para o ensino do idioma. Iria melhorar o nível de aprendizado do discente? Comente.
Com certeza. Porque dentro da faculdade você aprende formas diferentes, métodos diferentes, pra que você chegue na sala e demonstre tudo que você aprendeu na academia, no caso seria dentro do instituto acadêmico. Pra que você possa mostrar pro aluno uma experiência maior, porque às vezes você pode ate dizer que quem não tem certificado, que não tem uma forma acadêmica, não sabe ensinar, mas você precisa se especializar mais ainda pra poder mostrar ao aluno a sua experiência daquilo que você aprendeu. Por isso eu valorizo aqueles que têm a faculdade e a decência de ter um certificado é muito bom.
9°- O material didático utilizados nas instituições de ensino tem sido de boa qualidade tanto para o professor quanto para o aluno no processo de aprendizagem?
Com certeza. Porque existem escolas que eu trabalho que são apostiladas. Eu não gosto. Porque é resumido, não tem qualidade. Já o livro que eu tenho em escolas são muito boas, porque elas facilitam, tanto no aprendizado, tanto no material, CDs e vídeos são disponíveis. Milhares de vezes elas fazem isso com a gente. Então ela dá ao professor qualidade de ensino através do próprio material. Porque quando você tem material bom, a sua aula é muito mais aproveitada e você pode tirar dessa aula, uma forma de aprendizado, uma forma de conhecimento e uma forma ate de vocabulário pra que você possa conhecer a língua.

10º- Quais os métodos de ensino da língua inglesa você aconselharia a um professor a utilizar em sala? Por quê?
De todas as escolas que eu trabalho e cursos já que eu trabalhei também, eu aprendi que dentro de uma sala da aula você tem que usar métodos inovativos (inovadores) você tem que chegar e ser professor, que esta mostrando aos alunos aquela regra que antes eu tinha de ser um professor rígido, de ser um professor exigente não, um professor brincalhão, mas ao mesmo tempo exigir da sala de aula uma forma de que o aluno aprenda contrair aquilo que você ta aprendendo. Porque quando o aluno se choca com o idioma, ele não quer. Então dentro da sala de aula você tem que ser dinâmico, ser expressivo, e tem que ser dominador. Porque se você não dominar o idioma, o aluno ele conhece quando você não sabe o idioma, porque ele diz assim: - pera ai que eu vou olhar no livro pra ver se ta correto. Então o professor não estudou a lição de hoje. Então ele vai mostrar, o aluno vai entender que o professor não sabe a matéria. Então isso é que é a forma mais comum de professor de inglês no caso do idioma. Tentar mostrar ao seu aluno que você é capaz, e tem segurança naquilo que você ta ensinando.
11°- Em sua opinião, o conteúdo da língua inglesa ensinado durante o período do ensino médio prepara o aluno para o vestibular ou uma faculdade? Comente.
Sim, prepara sim. Porque se o aluno desde o sexto ano que é inicio que eu digo que muitas vezes é a responsabilidade do próprio aluno. De ter a consciência de aprender todo o conteúdo durante... A cada ano que ele estuda, quando ele chega no 3º ano, ele já esta apto a fazer o vestibular ou concurso, seja ele qual for. Porque a metodologia usada dentro de sala de aula depende do professor e para aprendizagem do aluno. Então se o aluno aprendeu durante todo o seu ano letivo, dos seus anos que você estudou dentro da escola, quando você chega no 3º ano... agora há formas que você chegue no final do semestre ou do ano, que você não aprende nada, mas isso depende do aluno. Porque eu tenho aluno que chega no final do 3º ano e não conhece nem um verbo e não sabe por quê. Porque dentro daquela área que ele ta prendendo o professor não usou, não fluiu daquilo que ele tinha dentro de sala de aula. Por isso que, eu acho que cada aluno tem a sua forma de aprender, que o professor também vai mostrar dentro de sala de aula o que ele esta aprendendo.
*Você acha assim que mesmo uma escola pública. Com um nível muito baixo de inglês no ensino médio é só até o “to be” basicamente... Eu queria saber se você realmente acha que esse aluno tem capacidade de passar numa “federal”, numa UECE...
Com relação aos estudos dos alunos, na forma de municipal ou estadual, deixa muito a desejar. No meu caso eu trabalho só na forma particular (escola). Eu vejo que é difícil. E no publico e estadual, pior ainda, a meu ver, eu acho difícil dele chegar. A não ser como eu disse pra você, se ele fizer um curso paralelo. Mas pra chegar na universidade, não. Ele vai ter que usufruir de muito mais do que ele aprendeu durante os anos, e que o professor que eu conheço muitas vezes ele nem é de inglês. Ele é de outra área. Então o aluno chega pior ainda. E ao meu pensamento ele não chegará bem na faculdade.


12°- Atualmente pais vêm procurando para o filho uma instituição de ensino de idioma particular para que ele possa obter um conhecimento mais amplo. Por que está ocorrendo este fato? O que está acontecendo com estes alunos de ensino médio? Explique.
Muitas vezes é a carência. Eu acho que quando o aluno se sente carente, os pais se sentem carentes, mesmo dentro de uma escola publica uma escola, uma escola municipal, ele não se sente bem, e que o aluno que esta lá chega em casa, como eu tenho aluno que diz: - olha eu aprendi uma nova forma. E isso não acontece porque eu tenho aluno que é do ensino particular, que o professor ensina e ele diz: - Olha eu não aprendi nada hoje. O professor repetiu a mesma coisa da aula passada. É muito triste você saber que dentro daquela instituição que o aluno ta aprendendo de idiomas, ele só saiba uma forma que é o verbo “to be” só e nada mais. E quando ela vai chegar na outra escola, ele diz: - Professor eu só aprendi ate ai! E o resto? Cadê? E é uma forma assim que eu acho... dentro da instituição, que muitas vezes o governo não liga isso, é saber que o aluno que esta dependendo , futuramente poderia ser um tradutor, poderia ser um professor, poderia ser qualquer tipo de profissão dentro do idioma, que realmente é uma coisa bonita, não só os outros também, mas inclui o inglês. Quem esta apta a aprender, vale à pena porque ele vai futuramente vai avaliar aquela profissão.



14. Conclusão

Através deste trabalho, percebemos que existem diversos tipos de métodos para o ensino de línguas estrangeiras, no qual percebemos que alguns deles são utilizados no cotidiano das escolas durante períodos de nossa aprendizagem.
São métodos que ajudam o professor a lidar com as dificuldades enfrentadas no desafio do ensino aos alunos dentro da sala de aula. Quebrando a rotina e atraindo o interesse do mesmo no desenvolvimento do conteúdo estudado, fazendo com que ele não somente aprenda, mas, que ele possa também transformar esse hábito num ponto de partida para estudos aprofundados como o vestibular ou uma faculdade e também o interesse voltado para a atuação profissional, e futuramente, compartilhando seus conhecimentos com outras pessoas.
Um dos principais métodos que podemos perceber através da pesquisa de campo que é utilizado em sala de aula é: o método de gramática e tradução (AGT), o método de leitura, o método audiolingual (AAL), o método natural e o método funcional ou abordagem comunicativa (AC).
Podemos perceber que os nossos entrevistados não conhecem o titulo desses métodos, mas conhecem algumas habilidades que são usadas dentro deles. Como o listening (ouvir), speak (falar), Writing (escrever), read (ler).
Vimos também alternativas em relação à melhoria da compreensão do conteúdo, utilizando simples maneira como, sentar-se em circulo, trabalhando com cartazes, fazendo dinâmicas, trabalhando em grupo priorizando a interação com os outros componentes. O conversation (conversação) torna-se muito necessário e importante na assimilação. A indução, fazendo com que o aluno movimente-se e comunique-se com seus colegas, interagindo com o professor, não somente ouvindo o que ele tem a dizer, mas colocando sua opinião e participando da aula.



15. Referências bibliográficas

RIGO. Rosangela. A importância do ensino da língua inglesa no ensino fundamental Webartigos.com Publicado em 16/01/2008
CHAGURI,J.P. A importância do ensino da língua inglesa nas séries iniciais do ensino fundamental In: O DESFIO DAS LETRAS, 2,2005, rolândia, anais
Competência comunicativa de professores de língua inglesa do ensino fundamental
Artigo publicado em pdf na internet
WWW.unir-roo.br/mostra/arquivos/2007/1192493285.pdf
ANGOTTI. Mary L. de Oliveira- LIMA. Roberto T. MÉTODOS DE ENSINO DE IDIOMA ESTRANGEIRO: UM PARALELO ENTRE A ESCOLA PÚBLICA E A ESCOLA PARTICULAR DE IDIOMAS -INGLÊS Http://www.saudetodavida/arquivos/artigo_uniube.pdf
*LIMA. Jilvania. AS METODOLOGIAS DE ENSINO DA LINGUA ESTRANGEIRA. Http://www.faced.ufba.br/rascunho_digital/textos/315.htm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário